quinta-feira, 18 de setembro de 2014

TAL COMO OS PASSOS


Tal como os passos dados na praia
o dia de hoje é frágil, apenas evocativo,
o chão onde cresce uma flor ambígua.

Tem o aroma bivalve, mediterrânico
de quotidianas algas sucumbidas nas areias,
traz notícias de longínquas luas derretidas
em pequenas conchas que habitaram sonhos.

É um espaço de presenças nuas que se dilui
na linha que separa as cinzas e o fogo,

mas é a margem onde escrevo as vozes suspensas
da minha veneração, da minha pura alegria,
do meu eterno desassossego na descoberta
pelo hálito concreto, fraterno, dos búzios.

12 comentários:

Arco-Íris de Frida disse...

em pequenas conchas que habitaram sonhos.


Achei lindo...

lino disse...

Já não posso ouvir falar em passos!
Abraço

Marilene Domingues disse...

Boa tarde Vieira,
Cá estou para retribuir, agradecer e conhecer o poeta.
Parabéns pela lindo poema, não sou poeta, mas amo poesia e tem minha admiração quem consegue colocar em palavras o que vai na alma e no coração. Dom divino.
Abraços com carinho
Marilene

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Caro amigo

Às vezes as palavras
se escondem em nossas vidas.
Então,
saímos em busca de inspiração
nos lugares onde a amizade
se faz preciosa,
(lugares como este)
pois são os amigos
que guardam as melhores
palavras de nossa vida,
para nos devolver e inspirar
quando estivermos distantes
de nós mesmos...

Obrigado por sua generosa amizade...

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Saboreei o poema... e soube-me a mar...
Muito bonito!

Abraço

Andrea Liette disse...

"Com passos imprimo marcas
descalças de um corpo
estrato sensorial de carne
e memória de sangue e vertigem."

Um poema muito significativo para mim, ofereço por admiração à sua poesia.
Um abraço.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Belíssima poesia meu amigo. Obrigada pela s/visita e comentário.
Voltarei sempre que possa.
Bom fim de semana.
Um abraço
Irene Alves

Branca disse...

Lindo poema!
Bom fim de semana!
Beijo.

Olinda Melo disse...

E é nessa linha que reside a esperança.
E a magia dos búzios que trazem sons de
lugares longínquos e aparentemente
desconectos...
E tudo isso completa a beleza dos dias.

Bom domingo.

Abraço

Olinda

DE-PROPOSITO disse...

que separa as cinzas e o fogo,
----------
O fogo, momentos de paixão, as cinzas, o que sobrou d'essa paixão.
----
Não sei se o comentário foi 'conseguido'.
Abraço
MANUEL

Parapeito disse...

É preciso saber escutar o que nos dizem os búzios.
Belo.
abraço***

© Piedade Araújo Sol disse...

o som dos búzios e o desassossego do Poeta...

:)