sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

NATAL II


A ideia de Natal é uma ideia em construção
uma casa comum de barro generoso
feito do sangue e da probabilidade duma cidade
cheia de luz, emergindo de obscuro impulso,
um promontório temível que despedaça as águas
impelidas por vento que vem do chão.

Evocar o Natal é uma ideia de harmonia
entre os naturais irmãos da terra,
o decurso duma semente que floresce
ao calor dum gesto sempre inacabado.  

Façamo-lo hoje ao cair da noite
para celebrar a vida, numa ideia de paz

para que o barro floresça em paz até ao fim.

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

O NOSSO PALCO


O ofício das palavras é uma cerejeira de séculos
um cristal que experimenta os magmas da terra
a pressão dos fluidos, o debate léxico dos óxidos,
na obstinada austera metamorfose das seivas.

É uma frágil representação da apetência
para respirar os ritmos interiores do corpo
em seus murmúrios de floresta eflorescente,
seus rios insaciáveis arrastando as margens.

A fogueira das palavras é um destino instante
de plantar árvores de frutos exóticos
à beira do chão mortificante, redondo
e é um exercício tão urgente como o corpo
na sua paixão íntima pelo delírio intenso
de presenciar a transfiguração da claridade.

sábado, 15 de setembro de 2018

SETEMBRO

Setembro é o mês dos grandes fogos. 
A devastação
do chão devagar bebendo a seiva imperturbável
onde a cinza refeita dos séculos reacende
o resplendor das manhãs, nas árvores macilentas,
com o seu bafo de menina que vai morrer.

Por ele se redime 
o cardume das aves migratórias
rumo ao sul dos sóis inumeráveis
perdido que foi do estio, o agosto ardente,
a terra descalça, seca, 
nas ambições do trigo.

Mês onde o leão a virgem devora lentamente
com o seu rosto de ervas
amarelas da tarde macerada.

Por ele se esvai o brilho do riacho
às portas do mar correndo,
de tão longo augúrio o amor desfeito.

Mês onda a pedra avulta perene 
o esplendor dum réptil
e o réptil reganha a cor a condição
da pedra.

Setembro é o grande mês dos fogos
primordiais,
  tardes que se alongam em vozes frias
com a exactidão precisa dum alçapão
e um tumulto de folhas secas roça
o dorso incerto do valado
grisalho, de aranhas agonizantes voando
em teias de pó no ar incerto
ou ao mar do vento desabrido e sonolento.

Por aqui passam os últimos enleios 
do despertar
a frágil representação da cena das espigas
brisas cravadas de papoilas, 
sinfonias de luzes,
enquanto os grandes espaços se enchem
do último voltear dum insecto doido.
na secura, na vertigem inquieta 
do fim do dia
inquieto pelas chuvas anunciadas.

Setembro é fogo do fogo. 

O princípio da cinza, 
o princípio do princípio.





sexta-feira, 27 de abril de 2018

UM FIO DE BÚZIOS



Um Fio de Búzios


Um menino trazia um fio de búzios
na concha da minha mão.

Era criança,
mais jovem do que eu julgava
ou imaginava ser
ou ver
no azul profundo os tons ocre e sépia
da falésia
que caía sobre o mar.

Era o tempo das nêsperas e das amoras
que ainda brilham
nos meus olhos.

Mas era já o tempo das ondas lavrando
a areia, gaivotas estridentes
clamando contra o vendaval.

E o menino nada sabia do vento áspero
da montanha
nem da rigorosa fixidez
do pão do condenado.

Era apenas uma criança ainda jovem
que procurava búzios na praia
junto ao mar
no azul profundo do céu
que imaginava
na cor das nêsperas e das amoras
que ainda hoje animam
os meus olhos.


NO PRÓXIMO DIA 1º DE MAIO,
estarei na sede da Junta de Freguesia de São Gonçalo,
em Lagos, para apresentar vídeos sobre Lagos, 
de meados do século passado e outros, grande écran.
Entrada livre.









quarta-feira, 4 de abril de 2018

O coração conhece o segredo


O coração conhece o segredo



O coração conhece o segredo dos pássaros,
a ânsia de horizontes para além do horizonte.

O segredo dos pássaros é uma centelha
de luz rebuscando a simplicidade duma vida

imagens móveis que alargam o nosso chão,
apenas em memórias difusas de exiguidade
e fantasmas de veludo passando mãos inertes
sobre o nosso rosto.

Ou labaredas azuis duma tarde quente
e o fio dum arco-íris
em suas cores de transparência e frio.

O coração conhece o segredo dos pássaros
e o seu degredo.

E eu apenas recomeço os trabalhos
da simplicidade da minha vida
e reconheço a sua exiguidade
guiada por horizontes de bruma.