segunda-feira, 18 de setembro de 2017

SETEMBRO

Setembro é o mês dos grandes fogos. 
A devastação
do chão devagar bebendo a seiva imperturbável
onde a cinza refeita dos séculos reacende
o resplendor das manhãs, nas árvores macilentas,
com o seu bafo de menina que vai morrer.

Por ele se redime 
o cardume das aves migratórias
rumo ao sul dos sóis inumeráveis
perdido que foi do estio, o agosto ardente,
a terra descalça, seca, 
nas ambições do trigo.

Mês onde o leão a virgem devora lentamente
com o seu rosto de ervas
amarelas da tarde macerada.

Por ele se esvai o brilho do riacho
às portas do mar correndo,
de tão longo augúrio o amor desfeito.

Mês onda a pedra avulta perene 
o esplendor dum réptil
e o réptil reganha a cor a condição
da pedra.

Setembro é o grande mês dos fogos
primordiais,
  tardes que se alongam em vozes frias
com a exactidão precisa dum alçapão
e um tumulto de folhas secas roça
o dorso incerto do valado
grisalho, de aranhas agonizantes voando
em teias de pó no ar incerto
ou ao mar do vento desabrido e sonolento.

Por aqui passam os últimos enleios 
do despertar
a frágil representação da cena das espigas
brisas cravadas de papoilas, 
sinfonias de luzes,
enquanto os grandes espaços se enchem
do último voltear dum insecto doido.
na secura, na vertigem inquieta 
do fim do dia
inquieto pelas chuvas anunciadas.

Setembro é fogo do fogo. 

O princípio da cinza, 
o princípio do princípio.





Enviar um comentário