domingo, 16 de Novembro de 2014

PARA DESENHAR O DIA


Para desenhar o dia
é necessário um monte de cores
um arco e uma fecha para os pincéis
tocarem a música do violino
e um pardal a saltitar sobre o chão

como fazem outros homens 
antes da noite

domingo, 9 de Novembro de 2014

UM BARCO ATRAVESSA O MEU CORPO


Um barco atravessa o meu corpo de lado a lado
por cima duma duna de areia animada pelo vento,
alheio à tempestade transversal dos meus olhos
a inquirir o azul cinzento do mar.

Há uma nudez nos ares como um piano
tocando num promontório de solidão,
um anel de fogo abrindo o desconhecido
ali mesmo em frente, no infinito do mar redondo
donde é possível voltar sempre ao mesmo sítio
donde se partiu, o mesmo desconhecido anel de fogo
que se escreve no meu barco que jamais partiu.

terça-feira, 4 de Novembro de 2014

POEMA EM NOVEMBRO


No sem regresso das formas,
amarela lanceolada folha
sobre a terra.

Como a luz,
desnuda
o brilho opaco da nervura

enquanto a cinza
que desenha
se deslumbra.

quarta-feira, 29 de Outubro de 2014

A CINZA DA TARDE


A cinza da tarde é uma subtileza da luz
e do seu destino de fulgências breves -
engenho de cores numa ilusão doutras cinzas
para o dia fugidio, para os seus esteios.

Esconde-se e esconde os seus trâmites,
o seu trânsito das palavras ditas,
um rosário de sons pronunciados
por lábios antigos, eruditos em fábulas
e mistérios de imaginar os seus termos.

Penetra os olhos ágeis, simula o frio do ar,
a predestinação para a bruma dos ocasos,
dissimula a hábil vocação das flores
para o caminho da noite, sem ardis.