domingo, 29 de março de 2015

ESCREVER


Apetece-me escrever uma coisa qualquer
que não sirva para nada
uma coisa qualquer sem sentido nenhum

para que depois outros digam
que ando a escrever coisas sem nenhum sentido

Prefiro escrever coisas ditas sem sentido nenhum
do que procurar dar um sentido
a tudo quanto se escreve
e que não tem sentido nenhum.

sábado, 21 de março de 2015

sexta-feira, 13 de março de 2015

Os Rumores do Vento


Um dia tenho que começar a organizar-me
eu que nunca organizei coisa nenhuma
.
porque nada me carece ser organizado
e nenhuma coisa me pediu para ser organizada
.
a não ser a teia de entender o que nada sabemos
para o modo e o método de simplesmente ignorar.
.
Mas o tempo urge por debaixo dos pés onde há
um silêncio virtual preso aos rumores do vento.
.
Tenho primeiro de organizar os rumores do vento.

Em “As Noites e os Dias”, ed. Litoral

segunda-feira, 2 de março de 2015

A palavra exacta


Para louvar as palavras,
inventar a palavra exacta é um acto de amor

o assento singular da sua pronúncia
a serena veneração de fantasias ideais
apreendidas ao longo das memórias.

O seu halo respira a harmonia dos ares
pelos sentidos duma bonina suave
levada ao caminho para o tranquilidade
suspensa no espelho indolente dum lago.

E é idêntica a vibração das cordas do peito
estendendo-se aos limites da plenitude
o saber deste exercício rigoroso da existência
no discurso plural da palavra amar. 

em Os Dias e as Noites, 2014

domingo, 22 de fevereiro de 2015

A PASSAGEM DAS HORAS



A passagem das horas
o perpassar dos dias
o lento fervilhar do tempo em seus artifícios
de claridade e sombras

trazem-nos a este lugar preciso
de quietude
em ondulações do silêncio e apaziguamento.

É aqui
onde deveremos aprender
os festejos da luz
a sombra do pecado original
dos fascínios
pelo regresso urgente
a nossa casa.

em "OS DIAS E AS NOITES", ed, Litoral 2014