terça-feira, 4 de novembro de 2014

POEMA EM NOVEMBRO


No sem regresso das formas,
amarela lanceolada folha
sobre a terra.

Como a luz,
desnuda
o brilho opaco da nervura

enquanto a cinza
que desenha
se deslumbra.

Enviar um comentário