quinta-feira, 26 de junho de 2014

ESTES MUROS


Estes muros são a nossa casa,
o modo austero de preservar os tectos
para as chuvas e o vento,
onde encontrar um refúgio, o alento
para dizer as palavras indizíveis.

Aqui coabitamos com as dúvidas
que escondem um instante efémero,
uma noção solene do nosso tempo breve
para discorrer sobre os acasos.

Transpiramos as sombras espessas
que chegam depois da exígua claridade
ofuscando o brilho dos nossos olhos,
para que o amanhã de novo se reconstrua
por cima dos nossos restos de luz morta.

Enviar um comentário