sábado, 21 de junho de 2014

COM O TEMPO



Com o tempo
um delírio impoluto cresce em nossos olhos.

Aprendemos a distinguir
um sorriso, o riso austero, o choro da criança

o sal que dá rigor às nossas vidas
ou rói o vigor dos ossos

e que nos trazem ainda vertical
como sãos os exercícios primaveris de palavras
nunca ditas

como que amarelecemos o tempo.
Enviar um comentário