segunda-feira, 2 de março de 2015

A palavra exacta


Para louvar as palavras,
inventar a palavra exacta é um acto de amor

o assento singular da sua pronúncia
a serena veneração de fantasias ideais
apreendidas ao longo das memórias.

O seu halo respira a harmonia dos ares
pelos sentidos duma bonina suave
levada ao caminho para o tranquilidade
suspensa no espelho indolente dum lago.

E é idêntica a vibração das cordas do peito
estendendo-se aos limites da plenitude
o saber deste exercício rigoroso da existência
no discurso plural da palavra amar. 

em Os Dias e as Noites, 2014

10 comentários:

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Iniciar uma semana, lendo tão belo poema, é mais que aprazível:...é saborear um favo de mel!
Boa semana!

lino disse...

Bela entrada para a (quase) primavera!
Abraço

CÉU disse...

Não é fácil encontrámo-la, mas eu encontrei-a, aqui, no seu poema, exatamente.

Abraços, e agradeço a sua presença e comentário no meu blogue.

A Casa Madeira disse...

No mundo em que vivemos cheio de correrías e atribulações; acho que até para
xingamentos kkk temos que achar as palavras exatas; acho que as atitudes são
atos de amor.
Belo poema.
Bom começo de março.
Janicce.

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, se não achamos as palavras exactas estamos sujeitos a más interpretações e a conflitos desnecessários.
O poema é simplesmente magnifico.
AG

Elisabete disse...

Pois, amar é uma das palavras mais importantes. As palavras tanto podem ferir como encorajar-nos.
Bjs

Arco-Íris de Frida disse...

As palavras condenam ou salvam... na mesma proporçao...

SOL da Esteva disse...

O Amor, em si mesmo, nem necessita ter palavras.
Gosto.


Abraços



SOL

Parapeito disse...

e o que seria de nós sem o amor e sem as palavras...de amor !
Abraço e brisas doces **

Parapeito disse...

e o que seria de nós sem o amor e sem as palavras...de amor !
Abraço e brisas doces **