sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

NATAL DOS SEM-ABRIGO


Naquela noite fazia frio fazia pena
ver almas despedaçadas deitadas corpos entrouxados
dispersos nas calçadas luzidias do passeio das ruas.

Caía uma névoa fina que simulava chuva punhais
de raiva e resignação ou antes uma levada de mágoa
de murmúrios sem data sem fumo sem restos de cio
perdidos num mar de pedras nas calçadas da rua.

Era uma noite de claustros tambores rufando clamando
os clamores da vida a náusea descrente na boca sofrida
o granito fundido já duro das lutas perdidas
pisado nos ossos nos ombros nos olhos que olham
as coisas de fora nas coisas de dentro
e as noites nos dias e os búzios na praia sem vento
soprando as pedras do passeio da rua.

Doía a quem doía não fora a noite uma noite
de aprazimento em todas as aldeias da cidade
tempo de alegrias acepipes farturas alvarinho
em casas abastadas sobranceiras aos passeios da rua ‒
o mais vago grave desígnio dum oráculo de plenitude
na inocência das crianças nas crenças na sentença
dos mecanismos que levam ao enternecimento
por ver a chuva a cair sobre corpos alheios
prostrados enrodilhados no manto do passeio das ruas.

15 comentários:

LUCONI MARCIA MARIA disse...

Poeta estas discrepâncias doem nas almas dos sensíveis, diz uma canção: Como posso ser feliz se o pobre meu irmão meu coração eu fechei meu amor eu recusei?

Para mim a noite de natal é muito triste, agradeço a Jesus pelo Amor exemplificado que nos ensinou, mas e eu, você, eles, o que fazemos com as lições que Ele nos deixou? abraços Luconi

Daniel Costa disse...

Vieira Calado
Belo e verdadeiro poema natalício. Aprecio muito a toada. Pena que os poderes instituídos não liguem muito à poesia, para reparem em poemas de intervenção, como este.

Desejo felizes e abençoadas Festas de Natal, enquanto desejo bom clima de paz.
Tudo para mantermos em 2015 verdadeira amizade.
Abraços




Clau disse...

Muitas pessoas passam o natal no mais puro abandono.
As desigualdades entristecem...
Um abraço à você.
Que seu natal seja repleto de saúde, pois é isso que importa.
E que comece o ano com muita fé e esperança :)

Bípede Implume disse...

Olá Caro Poeta
A época e o momento que atravessamos permitem que os poetas nos levem por esses caminhos que só eles sabem explicar. E que só eles nos deixam com a sensibilidade desperta.
Feliz Natal com muita amizade.

GarçaReal disse...

Um poema belo, profundo e que nos acorda para a realidade tanta vez esquecida e ocultada.

Um Feliz Natal e que o 2015 venha repleto de saúde , paz e sonhos realizados

Boas Festas

Bjgrande do Lago

gota de vidro disse...

Umas Boas Festas e um Novo Ano cheio de tudo que mais deseja.

Obrigada pela constante presença em meus blogs.

Beijinhos da Gota

Lu Nogfer disse...

Saudações poética, meu caro Vieira!

Venho retribuir e agradecer a tua visita ao meu espaço, mas sei que voltarei muitas vezes pois gostei muito do teu jeito de poetar. Parabéns pelo belo trabalho.

Desejo-te boas festas para um natal com muita paz e alegria entre os seus e prenúncio de um ano novo cheio de saúde e realizações plenas.

Forte abraço e até mais!

Lita Duarte do Brasil disse...

Um ótimo Natal pra você.
Que 2015 seja um ano repleto de novas alegrias.

Beijos.

Magia da Inês disse...

⋯ ✰ ⋯
⋰ ⋮ ⋱

Duríssima realidade, mas,
o Natal está chegando... o amor, chamado Jesus, nos pede permissão para entregar toda a paz e felicidade que nos são destinadas.


FELIZ NATAL!
BOAS FESTAS!
°。✿⊱。。

Maria Rodrigues disse...

Mais um poema brilhante. Uma realidade que faz doer o coração. Uns têm em demasia, outros têm uma mão cheia de nada.
Aproveito para desejar a si e a todos os seus familiares e amigos, um Feliz Natal, repleto de alegria, saúde, paz e amor.
Beijinhos
Maria e família

Arco-Íris de Frida disse...

Vieira... venho desejar-lhe um feliz Natal... com muita paz e um ano novo de realizaçoes...

Nilson Barcelli disse...

Há Natais assim, infelizmente.
Um Natal Muito Feliz, para ti e para a tua família.
Um abraço, caro amigo Vieira.

lino disse...

Caro amigo:
Desejo-lhe umas Boas Festas!
Um forte abraço

Maria Madalena Schuck disse...

Caro poetamigo, desejo-lhe um novo ano pleno de tudo que é belo e bom!
Sempre lhe acompanhando e admirando!
Beijinhos brasileiros,
da amiga
Maria Madalena

manuela barroso disse...

Uma realidade que dói numa poesia muito triste e bela
Cordiais saudações