quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Os Trabalhos do Tempo

(poemeto)

O tempo mastiga-nos os ossos
e depois a respiração.

Atira-nos à cara o medo dos poços
e desenvolve a equação
da ideia circular

do pó.


Enviar um comentário