sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

AS COISAS

Olho demoradamente as coisas
que me rodeiam.

Elas aí estão, paradas, em seu esplendor
de existir
no seu tempo de lugar absoluto.

Mas apenas consomem o tempo,
o meu questionar
no seu esplendor parado,
como um poema escrito
e nunca verdadeiramente entendido.

inédito

11 comentários:

Janice Adja disse...

Quando olho demoradamente para as cousas, sempre desisto delas.
Beijos!!

Janice Adja disse...

Quando olho demoradamente para as cousas, sempre desisto delas.
Beijos!!

Bell disse...

Obrigada pelas felicitações.

O Árabe disse...

Mais uma obra de arte, amigo e mestre! Realmente, nada consome tanto o tempo, quanto as coisas belas e estáticas no seu tempo absoluto! Meu abraço, boa semana.

MARILENE disse...

O tempo de contemplação não é perdido, como não o é aquele que dispensamos à leitura de seus versos. Bjs.

Emília Pinto disse...

Há sempre a tendência de se achar uma perda de tempo o pouco tempo que é despendido a, "demoradamente", olhar as coisa que compõem a paisagem da vida; desse cenário, dessa paisagem somos partes integrantes como seres viventes que, em comunhão com todos os outros temos a obrigação de parar...de olhar...de escutar e de nos surpreender, agradecendo sempre, com o bendito esplendor do " existir". Só observando podemos nos questionar sobre as atitudes que temos mediante a tamanha maravilha de simplesmente Ser, de simplesmente existirem todas as coisas.
E, perante esta maravilhosa poesia só posso dizer: obrigada, amigo! Belo momento!
Um beijinho e até sempre
Emilia

Dorli Ramos disse...

Oi Vieira,
Eu não desisto nunca nem mesmo topada de remédios.
Isso sempre foi meu lena: morrer lutando.
Beijos
Minicontista2

Malu Silva disse...

Voltando ao mundo dos blogs e aguardando a visita dos amigos...

momentosbrancoepreto.blogspot.com

Ana Freire disse...

É verdade... as coisas orbitam em nosso redor, em todo o seu esplendor... a toda a hora...
Vivemos... desejando e lutando por coisas... e levamos uma vida inteira, para descobrir, que as coisas mais importantes da vida... não são mesmo... coisas...
Elas realmente, apenas existem, para nos consumir e escravizar a existência...
Adorei o poema! Bom fim de semana!
Ana

Fá menor disse...

Gosto de gastar algum tempo em contemplação; nunca me é perda de tempo.
Bj

Fá menor disse...

Gosto de gastar algum tempo em contemplação; nunca me é perda de tempo.
Bj