sexta-feira, 13 de março de 2015

Os Rumores do Vento


Um dia tenho que começar a organizar-me
eu que nunca organizei coisa nenhuma
.
porque nada me carece ser organizado
e nenhuma coisa me pediu para ser organizada
.
a não ser a teia de entender o que nada sabemos
para o modo e o método de simplesmente ignorar.
.
Mas o tempo urge por debaixo dos pés onde há
um silêncio virtual preso aos rumores do vento.
.
Tenho primeiro de organizar os rumores do vento.

Em “As Noites e os Dias”, ed. Litoral

15 comentários:

Parapeito disse...

E os rumores do vento , são bem capazes de dizer que o tempo é Hoje!
Gostei de sentir este vento *
abraço*

Parapeito disse...

E os rumores do vento , são bem capazes de dizer que o tempo é Hoje!
Gostei de sentir este vento *
abraço*

helia disse...

" Não é f´cil organizar os rumores do vento....", mas a Poesia é muito bonita !

GarçaReal disse...

Os rumores do vento por vezes trazem segredos.....

Belo

Bom domingo

Bjgrande do lago

GarçaReal disse...

Os rumores do vento por vezes trazem segredos.....

Belo

Bom domingo

Bjgrande do lago

O Sibarita disse...

Meu caro amigo! Realmente, organizar a direção dos ventos para não ser devastado pela ventania...

Que belo poema que nos leva a reflexão, muito bom mesmo!

Vieira, CAJÁ é uma fruta tipicamente nordestina, ou seja, do nordeste do Brasil e em especial a Bahia o seu maior produtor. Cajá é tão saboroso que é usado em doces, sorvetes, picolés, vitaminas, abafa-banca e por ai vai.. Tem sabor muito acentuado, cor amarela. É uma fruta pequena, tão presente que dizemos de uma coisa boa gostosa sabor cajá!

O Sibarita

Roselia Bezerra disse...

Olá, Vieira
O silêncio virtual é salutar tanto quanto o real...
Bom fim de Domingo
Abraço quaresmal

Eduardo Aleixo disse...

Dificil será organizar os rumores do vento, mas é fácil ficarmos embevecidos só em escutar o que ele nos quer comunicar.
Abraço.

✿ chica disse...

Inspirada poesia e o vento tem muito a dizer...Linda semana! abraços,chica

Vanuza Pantaleão disse...

Os ventos que assanham nossos cabelos e que arrastam sementes pelos campos, deixem que fiquem também desorganizados e livres, assim eles são como assim seremos, também soltos e sem ordem.
Belo poema, amigo! Adorei!

A Casa Madeira disse...

Eu sempre digo, que aqui por essas paragens, o
vento fala e diz muito.
As vezes o silêncio é tudo para ouvir a natureza.
Lindo poema.
Janicce.

Bípede Implume disse...

Olá caro Poeta
Eu, que até sou uma pessoa organizada, nunca me passaria pela cabeça "organizar os rumores do vento". A imagem é linda.
Estarei atenta ao eclipse, obrigada.
Grande abraço.

Ana Tapadas disse...

«rumores do vento», que vozes nos trarão Poeta? Organizá-los é tarefa homérica...para os poetas.

Beijo amigo

Elisabete disse...

"Organizar os rumores do vento", uma bela metáfora.
Um abraço

Célia sousa disse...

O mundo não sente nem ouve, !
Há toques de carícia trazidos pelo vento !
Mas o desassossego não dá tempo !
tropeça no vento...e a coragem se esfuma no mar !