terça-feira, 7 de março de 2017

Junto ao mar, nesta Baía



Junto ao mar, nesta baía suave de azul cobalto,

deixo-me envolver nos confins do pensamento,

o recorte do céu, a expressão mais nua do chão



e contemplo a narrativa das areias desta praia,

a voz antiga que desfez a pedra dos montes

no tumulto das grandes impiedosas chuvas.



O meu arrebatamento é a história que leio

nos veios engendrados pelo refluxo da maré,

as algas deixadas junto ao limite das águas



a própria índole maiúscula dos grãos de areia

que jazem ao sabor da vastidão dos abismos

traçados nos penhasco descidos da montanha.



Ela ensina-me a sedução pela espuma rigorosa

das vagas vindas de longe, trazidas no vento,

as correntes telúricas das montanhas do mar



e mostra-me o decurso inteiro e obstinado

que vejo nas conchas despojadas de moluscos,

nas algas que sucumbiram à força do tempo.



Aqui me atenho e entendo este abraço fraternal

das águas ajuntado os restos terminais da terra

antes do grande dilúvio da paz do sol poente



e ergo a minha voz e canto os espaços libertos

na voz multifacetada das águas do grande mar,

o azul pálido da vastidão pluricolor dos céus.



em MARENOSTRUM, a publicar em Maio, na "8ª  Mostra de Livros de Autores de Lagos"
Enviar um comentário