quinta-feira, 24 de novembro de 2016

FLORES DE OUTONO


Agora vou reclinando o corpo
entre a terra e as estrelas.

O espaço é breve
para a brisa do mar
que ainda soa.

E no entanto,
adormeço
no meu sonho,
sereno de harmonias
                                
incendiando o fino pó
da terra
com estas flores violetas,


exíguas, violentas, do outono.


Agora pode ver o respectivo videopema clicando          
 aqui

sábado, 19 de novembro de 2016

MEMÓRIA DO TEU CORPO

A memória do teu corpo é a paisagem dum tumulto
um cântico absorto antes de arrebatadas chuvas.

Trazia o vestígio incandescente dos mares de levante
a ardência duma praia restituída de lembranças.

Era uma semente a colorir os teus quadris de incenso
uma celebração ofegante sobre o umbral dum leito.

Relembro-o pela terra, os frutos, as formas macias
do respirar do vento como em teus olhos de alecrim.

E nunca hei-de renunciar ao seu apelo mágico, 
para não desmerecer, num sonho, o teu pretérito.

sábado, 12 de novembro de 2016

ERA NOVEMBRO


Era Novembro e chovia na cidade.

Pairava um halo sobre as casas
um fastio dulcíssimo nos corpos.

Soavam fogos de harmonias
que falavam de outras eras
doutros sonhos, doutras águas

palavras que traziam novelos de palavras 
murmúrios, comércio de pequenas alegrias
que acendiam memórias doutros tempos

e uma flauta que ardia nos teus olhos
a melancolia esdrúxula de meus dias.

AGORA PODE VER COMO FICOU O RESPECTIVO VÍDEO  AQUI

domingo, 6 de novembro de 2016

OS TEUS OLHOS


    Os teus olhos perpetuavam a lembrança dos grandes rios
perpassando na bruma antiquíssima da montanha
e tinham o silêncio trémulo transparente das estrelas
que se extinguem ao clarim da aurora

Os teus olhos tinham a serenidade dos grandes vales
iluminando a cinza prateada das escarpas
e a cor serena tranquila das memórias
que renascem ao clarim da aurora

Os teus olhos tinham o sussurro rumorejante das ervas
onde crescem os ventos ágeis da planície,
a luz milenar da manhã primeira
que me acordou ao clarim da aurora.