sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

COMPACTO DE NATAL - 4 poemas

NATAL I

Uma ideia persiste no coração do mundo:
a imagem pura a água limpa duma fonte
uma palavra chã em seu natural anseio

Por ela meditaremos em antiquíssimos relatos
a viuvez dum musgo na frágua da montanha
ou o desterro para uma flor esfarrapada
tolhida em  absurdos espectáculos de agonia

E façamos do murmúrio um chão sadio
que floresça a urze do chão remoto
o ofício da luz abrindo devagar a terra
para os frutos indomáveis da alegria.

Os nossos dias também têm um sentido lato
superior às minguas às figuras de excesso
mais profundo que o mecanismo duma roda.

Por isso celebremos hoje a ideia de Natal
para que seja um exercício repetido de louvor 
à grandeza anónima irrepetível duma vida.


NATAL II

A ideia de Natal é uma ideia em construção
uma casa comum de barro generoso
feito do sangue e da probabilidade duma cidade
cheia de luz, emergindo de obscuro impulso, 
um promontório temível que despedaça as águas 
impelidas por vento que vem do chão.

Evocar o Natal é uma ideia de harmonia
entre os naturais irmãos da terra, 
o decurso duma semente que floresce
ao calor dum gesto sempre inacabado.   

Façamo-lo hoje ao cair da noite
para celebrar a vida, numa ideia de paz
para que o barro floresça em paz até ao fim.


Natal III

Naquela noite fazia frio fazia pena 
ver almas despedaçadas deitadas corpos entrouxados 
dispersos nas calçadas luzidias do passeio das ruas.

Caía uma névoa fina que simulava chuva punhais 
de raiva e resignação ou antes uma levada de mágoa 
de murmúrios sem data sem fumo sem restos de cio 
perdidos num mar de pedras nas calçadas da rua. 

Era uma noite de claustros tambores rufando clamando 
os clamores da vida a náusea descrente na boca sofrida 
o granito fundido já duro das lutas perdidas 
pisado nos ossos nos ombros nos olhos que olham 
as coisas de fora nas coisas de dentro 
e as noites nos dias e os búzios na praia sem vento 
soprando as pedras do passeio da rua.

Doía a quem doía não fora a noite uma noite 
de aprazimento em todas as aldeias da cidade 
tempo de alegrias acepipes farturas alvarinho 
em casas abastadas sobranceiras aos passeios da rua -
o mais vago grave desígnio dum oráculo de plenitude 
na inocência das crianças nas crenças na sentença 
dos mecanismos que levam ao enternecimento 
por ver a chuva a cair sobre corpos alheios 
prostrados enrodilhados no manto do passeio das ruas.


NATAL IV

Vem das profundezas do fim das trevas
um caminho mítico para os exercícios da alegria
ali tão perto no barro ainda mole dos antigos.

Assim o pressentimos em fogos de encantamento
na enorme plenitude do orvalho das manhãs.

Talvez nos enredemos em ludíbrios ágeis
pela cerimónia de louvar a imagem virtual dum deus
no seu nicho distante negligenciando as vozes da planície
mas vale a pena tentarmos nós próprios a utopia
porque os deuses estão longe delidos noutros dilemas
noutras abstrações inatingíveis
porventura ainda mais utópicas que as nossas.

Diremos Natal como quem diz um bálsamo
ou um violoncelo tangendo um prelúdio chão
testemunho duma fogueira na água
e no pó do nosso destino também um murmúrio incerto
alheio à vontade transparente das estrelas.

* Destes poemas foram elaborados cinepoemas
  que podem ser vistos, seguidos, AQUI
Enviar um comentário