segunda-feira, 29 de setembro de 2014

SONETO CLÁSSICO


Subi um dia pela tarde aquele monte
donde as coisas do mundo que habitamos
fazem crer-nos, de longe, que julgamos
ver de perto, ao longe, o horizonte.

Alta serra de luz cegando a fronte,
quando ao ponto mais alto nos chegamos
das coisas do mundo comprovamos
já não ver se vemos árvore ou fonte.

E do alto da serra contemplei
em plena luz, a luz que iluminava
a terra e o sossego que reinava.

Desci depois do ponto onde cheguei,
mas só quando à terra regressei
é que entendi que vista me enganava.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Flores do Outono


Agora vou reclinando o corpo
entre a terra e as estrelas.

 O espaço é breve
 para a brisa do mar
 que ainda soa.

E no entanto,
adormeço
no meu sonho,
sereno de harmonias
                         
incendiando o fino pó
da terra
com estas flores violetas
violentas,
exíguas, do outono.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

TAL COMO OS PASSOS


Tal como os passos dados na praia
o dia de hoje é frágil, apenas evocativo,
o chão onde cresce uma flor ambígua.

Tem o aroma bivalve, mediterrânico
de quotidianas algas sucumbidas nas areias,
traz notícias de longínquas luas derretidas
em pequenas conchas que habitaram sonhos.

É um espaço de presenças nuas que se dilui
na linha que separa as cinzas e o fogo,

mas é a margem onde escrevo as vozes suspensas
da minha veneração, da minha pura alegria,
do meu eterno desassossego na descoberta
pelo hálito concreto, fraterno, dos búzios.

sábado, 6 de setembro de 2014

OS CAMINHOS DO MAR



É nos caminhos do mar, na estrutura mutante
do seu programa de memórias, de murmúrios,
é no testemunho da transparência das águas
na sua dimensão ecuménica, admirável
de unir o sangue e os bálsamos apetecíveis

que nos banhamos numa vertigem de ludíbrios
trazendo as neblinas e o cheiro forte da luz
de meridianos horizontes, uma voz bilingue
para as apetências da plenitude, do equilíbrio
instável da nossa instante tranquilidade.

E é pelo mar que nos vinculamos à terra,
que entendemos o cheiro acre da terra
e seus crisântemos repletos de inocências
para o reanimar do nosso berço anfíbio
a praia onde havemos de viver e morrer.